Temer aceito em partes o acordo e ameaça que governo acionou ‘forças federais’ para desbloquear estradas3 min read

0
Reading Time: 3 minutes

Ele disse que, apesar do acordo do governo com caminhoneiros grevistas, uma ‘minoria radical’ insiste na paralisação. Segundo ministério, caminhões não poderão ficar nem nos acostamentos.

presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira (25) que acionou forças federais para desbloquear estradas, ocupadas por caminhoneiros em greve. Ele fez um pronunciamento no Palácio do Planalto hoje.

O Brasil está sofrendo a má gestão pública. Chegou a hora de mudarmos isso!? Na minha opinião seria top se os policiais ficassem do lado dos caminhoneiros, desde que não machuquem ninguém e ainda mais pedissem por seus direitos também, mas o que precisa mesmo diminuir os direitos dos políticos e os cargos públicos que não fazem nada, o sistema statal do Brasil é ridiculo, quem acompanha tudo sabe que não passamos de uma grande piada, tanto aqui quanto la fora!

Temer optou por acionar as forças federais depois de se reunir com ministros para uma “avaliação de segurança” no país, já que a greve dos caminhoneiros continuou, apesar do acordo firmado entre governo e representantes da categoria na noite de quinta (24).

Em razão da paralisação, há registros de falta de alimentos em supermercados e de combustível em postos de gasolina. O transporte coletivo em diversas cidades foi afetado, indústrias pararam atividades e voos começaram a ser cancelados por falta de combustível nos aeroportos.

CONFORME NO VÍDEO PRONUNCIADO: https://www.facebook.com/WmbMarketingDigital/videos/1756079371151348/UzpfSTk2NTAwNDE2MDI5NDkzNjoxNjc4NTgzMjY4OTM3MDE4/

“Comunico que acionei as forças federais de segurança para desbloquear as estradas e estou solicitando aos senhores governadores que façam o mesmo.”

Segundo assessoria do Ministério da Segurança Pública, as forças federais incluem: Exército, Marinha, Aeronáutica, Força Nacional de Segurança e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Temer disse que tomou a decisão para evitar que a população fique sem produtos de “primeira necessidade”.

“Não vamos permitir que a população fique sem gêneros de primeira necessidade. Não vamos permitir que os hospitais fiquem sem insumos para salvar vidas. Não vamos permitir que crianças sejam prejudicadas pelo fechamento de escolas. Como não vamos permitir que produtores tenham seu trabalho mais afetado”,

afirmou Temer.

A assessoria do Ministério da Segurança Pública informou que o governo vai publicar um decreto na tarde desta sexta-feira para autorizar o acionamento das forças federais.

Apesar do decreto ainda não ter sido publicado, as Forças Armadas já estão mobilizadas, segundo o governo. As Forças vão esperar a publicação do decreto para iniciar os trabalhos.

Ainda de acordo com a assessoria, as rodovias devem ser totalmente liberadas. Com isso, caminhoneiros manifestantes não poderão ficar nem no acostamento. Os militares vão poder entrar em caminhões, se for o caso, para retirá-los da via.

 

Os caminhões poderão ser apreendidos e os motoristas, presos.

Segundo o governo, a prioridade do desbloqueio é garantir abastecimento de combustível em seis aeroportos e duas termelétricas. Entre os aeroportos, estão Brasília, Recife, Congonhas, Confins e Porto Alegre.

Protesto de caminhoneiros na BA-526, em Simões Filho, na Bahia (Foto: Juliana Almirante/ G1)

‘Minoria radical’

Temer disse que o governo atendeu os pedidos dos caminhoneiros, mas, segundo ele, uma “minoria radical” dos grevistas não quis cumprir o acordo.

“Atendemos 12 reivindicações prioritárias dos caminhoneiros, que se comprometeram a encerrar a paralisação imediatamente. Esse foi o compromisso conjunto. Esse deveria ter sido o resultado do diálogo”, disse o presidente.

“Muitos caminhoneiros, aliás, estão fazendo sua parte, mas infelizmente uma minoria radical tem bloqueado estradas, impedido que muitos caminhoneiros levem adiante o seu desejo de atender a população e fazer o seu trabalho”, completou.

 

Leave A Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.