Feministas atacam campanha de loja e acabam sendo desafiadas em rede social

1

As justiceiras sociais feministas nas redes sociais tem atacado nas últimas horas a Alezzia.

Uma empresa que produz e vende móveis em aço inox, por causa de uma campanha de marketing.

A propaganda em questão traz uma modelo usando uma espécie de traje de banho parecido com um maiô para divulgar os produtos da empresa, o que foi suficiente para que as feministas de plantão começassem a escrever avaliações negativas sobre a página e a empresa.

A empresa, entretanto, não se curvou ao ataque politicamente correto e resolveu desafiar as feministas com uma campanha: se até o último dia do mês de janeiro de 2017 as avaliações da página atingirem 1,1 de escala, uma das feministas envolvidas no ataque irá ganhar um voucher no valor de 10 mil reais para gastar na loja virtual da Alezzia. Caso a avaliação da empresa fique acima dessa escala, a AACD receberá doações. Desde então, apesar dos ataques contínuos, a avaliação positiva da página da loja só cresce.

Eis a respostas, gerou uma campanha de sucesso para a loja e doações:

A militância feminista tentou efetuar mais um de seus ataques em bando, mas acabou gerando uma ação social e de marketing para a loja. Em um dia, a página da empresa ganhou 10.230 seguidores, um aumento de 95% em relação ao número de seguidores anterior.

Aquele abraço

Ariston

 

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
0 Comment authors
Feministas atacam página de barbearia masculina por não atender mulher Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
trackback

[…] Isso bastou para que a feminista se alterasse e armasse um escândalo, xingando o estabelecimento e desrespeitando os profissionais. Como se não fosse suficiente o escândalo no local, a feminista utilizou as redes sociais para denegrir a imagem da barbearia e inventar mentiras ao dizer que foi desrespeitada e humilhada por ser mulher, levando as militantes feministas a atacarem a página do estabelecimento no Facebook de forma bem semelhante ao que aconteceu com uma loja de móveis recentemente. […]