COMO É DIFICIL E MACHUCA MUDAR, MAS MUDE E MUDE PARA MELHOR

Ariston Simon
Read Time1 Minute, 18 Second

Tantas vezes deparamo-nos com aquelas “frases inspiradoras” ou com estilos de vida que gostaríamos de ter e adoptar e, em muitos destes momentos, dizemos a nós mesmos: “eu vou mudar!” No entanto, sabemos que não é fácil.

Como pessoas, gostamos de ser consistentes, ou seja, as nossas atitudes tendem a estar em sintonia com as nossas crenças e os nossos valores. Quando não estão, fazemos um esforço para alinhá-los novamente. Se começarmos a acumular vitórias e ainda assim continuamos a vermos-nos sem valor ou incapazes, premimos o “botão” para, de certa forma, voltarmos ao ponto que nos é familiar e que está de acordo com aquela imagem que temos de nós mesmos.

Por outras palavras, se partimos com a crença de que não temos valor no campo profissional, por exemplo, poderá sentir constantemente que vai “cair” a qualquer momento ou se chamar a atenção dos seus colegas para as suas conquistas, irá ser visto como uma fraude. Por isso, esta crença leva-o, facilmente, a procrastinar e a desviar o foco.

No fundo, a angústia perante as conquistas não é realmente um medo de ambição e do valor que acarretam, é um medo de tentar o melhor e não ter sucesso, de ser pessoalmente abatido e humilhado publicamente à medida que se preocupa que o seu melhor talvez não seja bom o suficiente.

Desafio-o a identificar as suas crenças negativas e a tentar substituí-las por outras diferentes, que sejam congruentes com os seus objetivos. Assim, estará no caminho para mudar os seus hábitos!

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe um comentário

avatar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Subscribe  
Notify of
Next Post

Religião não se discute?

Há uma linha de pensamento que expressa o seguinte: “Não importa qual a sua religião, o que importa é se ela transforma você em um ser humano melhor”. Derrubemos os tabus em que escoramos a nossa covardia e […]