Administrador da NASA declara Plutão como planeta novamente, não é que eles estavam certos

0

Chamado agora de Região de Tombaugh, o Coração de Plutão bate no peito de muitos inconformados com o fato de o pequenino não ser mais um planeta. O coro engrossou na última sexta-feira (23), quando o administrador da NASA, Jim Bridenstine, compartilhou a mágoa de milhões de pessoas em frente às câmeras.

“Só para vocês saberem: eu acho que ele é um planeta, e você pode escrever que o administrador da NASA declarou que Plutão é um planeta novamente”, disse ele durante um evento de robótica no Colorado (EUA). A opinião do chefe da NASA, no entanto, infelizmente não tem valor para a astronomia, já que quem decide em última instância a classificação de um corpo celeste é a União Astronômica Internacional (IAU) — foi ela que rebaixou, em 2006, Plutão a planeta-anão por meio de uma votação entre os astrônomos.

Para ser considerado um planeta, o corpo celeste tem que orbitar ao redor do Sol, ter auto-gravidade suficiente para apresentar forma ao menos arredondada e ter uma órbita não influenciada diretamente por outros corpos celestes iguais — Plutão não se encaixa nesse último requisito: ele está rodeado por objetos semelhantes a ele e que acabam afetando sobre sua trajetória ao redor do Sol.

Dia certo para chorar o rebaixamento

A discussão sempre esquenta perto do dia 24 de agosto, também conhecido como Dia do Rebaixamento de Plutão. Com a aproximação da sonda New Horizons do ex-planeta, em 2015, porém, os astrônomos descobriram nele uma série de estruturas complexas, como grandes montanhas e planícies de gelo e nitrogênio. Foi a vez de Alan Stern, o cientista que liderou a missão científica da sonda, mudar de ideia e assinar um artigo pedindo a reclassificação de Plutão. Stern é, há muito tempo, um crítico da decisão da IAU, chamando-a de “não científica”.

 

Deixe um comentário

avatar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Subscribe  
Notify of